top of page
  • Foto do escritorAndré Dutra

DEZ FATOS QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE A NAKBA

Artigo:

Dez Fatos que Você Precisa Saber Sobre a Nakba


AUTORA: Fernanda Alcântara | ANO: 2023

Fonte: Site MST



Durante e após a guerra árabe-israelense de 1948, estima-se que cerva de 700 mil palestinos tenham fugido ou sido forçados a deixar suas casas. Foto: Eldan David.



A semana de 15 de maio deste ano, marca o 75º aniversário da Nakba (catástrofe) palestina. Durante a Nakba, entre 750.000 e 1.000.000 de palestinos indígenas foram expulsos de suas casas e etnicamente limpos por milícias sionistas e, mais tarde, pelo exército israelense para estabelecer o Estado de Israel como uma colônia judaica baseada em uma lógica supremacista.


A violência colonial e a agressão direta do apartheid israelense nunca cessaram. Mas a resistência popular palestina e o sumud (firmeza) também não. Em Jenin, Beita, Masafer Yatta, Gaza, Vale do Jordão, Sheikh Jarrah, Silwan e Al-Naqab, em toda a Palestina histórica e no exílio, os palestinos permanecem unidos contra o regime de colonialismo e apartheid de Israel. Com a ascensão do governo de extrema direita mais abertamente racista de Israel, os palestinos foram submetidos a campanhas renovadas e intensificadas de limpeza étnica e construção de assentamentos, roubo de terra e água, massacres repetidos na Gaza sitiada, prisões em massa e restrição de movimento. Este ano, as forças de ocupação israelenses e os colonos ilegais mataram mais de 126 palestinos, incluindo 24 crianças. E estamos apenas em maio.


E nós ainda estamos de pé! Continuaremos a lutar por nossa libertação, por nossos direitos inalienáveis, incluindo nosso direito à autodeterminação e o direito dos refugiados de voltar para casa. Vamos marchar pela liberdade, justiça, igualdade e dignidade.


Aqui estão 10 fatos que você precisa saber sobre a Nakba palestina:


1. Entre 1947 e 1949, Israel e as milícias sionistas pré-estatais expulsaram entre 750.000 e 1.000.000 de árabes palestinos nativos, transformando-os em refugiados.


2. Atualmente, há cerca de 8 milhões de refugiados palestinos na OPT e nos países árabes vizinhos, como Líbano, Jordânia e Síria. O apartheid israelense tem negado sistematicamente a eles o direito, sancionado pela ONU, de retornar às suas casas, terras e outras propriedades simplesmente porque não são judeus.


3. A limpeza étnica durante a Nakba foi uma campanha deliberada, planejada e sistemática realizada para criar o que as organizações de direitos humanos, como a Anistia Internacional, Human Rights Watch, Al-Haq e B’Tselem, chamam de “supremacia judaica” na Palestina histórica, que era predominantemente povoada por árabes palestinos antes de 1948.


4. Ao contrário da mitologia sionista, as milícias iniciaram a limpeza étnica de cidades e vilarejos palestinos meses antes do estabelecimento do Estado de Israel. O massacre e o despovoamento da aldeia palestina de Deir Yasin, por exemplo, ocorreram em 9 de abril de 1948.


5. Aproximadamente 150.000 palestinos permaneceram dentro do que se tornou a fronteira de Israel em 1948, muitos deles deslocados internamente. Eles acabaram recebendo a cidadania israelense, mas viveram durante anos sob o domínio militar. Hoje, os cidadãos palestinos de Israel vivem como cidadãos de segunda classe em sua própria terra, sujeitos a um sistema de apartheid consagrado em dezenas de leis racistas que os discriminam.


6. Durante a Nakba, as milícias sionistas e, posteriormente, as forças israelenses destruíram sistematicamente cerca de 530 cidades e vilarejos palestinos para impedir o retorno dos refugiados palestinos exilados. Muitas das casas que permaneceram de pé foram repovoadas com colonos judeus-israelenses.


7. O Fundo Nacional Judaico (JNF), um pilar abertamente racista do projeto colonial sionista na Palestina, entre 1949 e 1953, adquiriu do Estado de Israel cerca de 78% das terras que possui hoje, grande parte delas terras agrícolas de refugiados palestinos etnicamente limpas que o Estado havia confiscado e designado como “propriedade ausente”. A JNF considera essa terra palestina roubada “propriedade perpétua do povo judeu”.


8. A Nakba não terminou em 1948, mas continua até hoje na forma de limpeza étnica contínua das comunidades palestinas pelo apartheid israelense; roubo de terras palestinas para assentamentos judaico-israelenses na OPT, bem como no atual Israel; destruição de casas e terras agrícolas palestinas; revogação de direitos de residência; expulsões; engenharia demográfica; e massacres periódicos.


9. Atualmente, Israel está tentando realizar a maior limpeza étnica em massa desde 1968, tendo como alvo cerca de 1.300 palestinos que vivem em oito vilarejos na área de Masafer Yatta, ao sul de Hebron. Muitos dos palestinos de Masafer Yatta já fugiram dos massacres israelenses em Al-Naqab, cometidos pelas forças israelenses durante e após a Nakba. O que está acontecendo agora em Masafer Yatta é um exemplo paradigmático da Nakba em andamento. Ela se repete ainda hoje em Al-Naqab, Jerusalém, no Vale do Jordão e em todo o território sob controle israelense. Os palestinos indígenas são forçados a deixar suas casas pela violência patrocinada pelo Estado nas mãos de soldados israelenses, da polícia israelense e de colonos israelenses armados e fascistas.


10. Israel tem uma lei que proíbe os palestinos – cidadãos de segunda classe do Estado – de comemorar a Nakba. Isso não impede que os palestinos se lembrem e insistam em nosso direito de retornar às nossas terras ancestrais.


Comemore a Nakba onde quer que esteja, compartilhe histórias da Nakba palestina e participe de campanhas de BDS, a maneira mais eficaz de apoiar nossa luta para conquistar nossos direitos reconhecidos internacionalmente, inclusive o direito de retorno dos refugiados.

14 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentarios


bottom of page